lúpus em crianças

Saiba mais sobre o diagnóstico de lúpus em crianças

O lúpus é uma doença considerada rara e autoimune. Causada por um desequilíbrio no sistema imunológico, ela ataca as células saudáveis do corpo, especialmente da pele, articulações, cérebro, rins, fígado, coração e pulmão, desencadeando uma inflamação generalizada crônica. Como os sintomas são semelhantes aos de inúmeras doenças, a definição do diagnóstico pode demorar a se confirmar.

A doença também atinge crianças, pois os sintomas são bastante semelhantes aos dos adultos, com algumas particularidades. Uma delas é o comprometimento maior do rim e o abatimento, com perda significativa de peso.

É um período em que o tratamento é feito com muito cuidado, já que o período natural de desenvolvimento físico e intelectual da criança pode ser comprometido em caso de medicação equivocada.

Causa e sintoma do lúpus infantil

Não há conhecimento da causa exata para o surgimento do lúpus, mas há fortes indícios de que há influência genética. Outros fatores, como alterações hormonais, quadros infecciosos, problemas imunológicos, uso de determinados medicamentos e muita exposição ao sol sem proteção também podem fazer com que a doença se desenvolva.

Mais comuns em meninas devido à influência do hormônio sexual, fatores emocionais também pode servir de gatilho para a doença. Crianças com traumas graves, como a morte de pessoas próximas, separações, perda de bichinhos de estimação, ciúmes da presença de um irmão, podem sofrer de uma fragilidade física muito afeita à presença do lúpus.

Em crianças, órgãos vitais como coração, cérebro e fígado podem ser atingidos, mas é no rim que se concentra a maior preocupação. Sintomas como febre, vermelhidão na pele do rosto, dores articulares, anemia, queda de cabelo, inchaço nas juntas, emagrecimento repentino e fadiga são comuns.

Tratamento do lúpus infantil

Realizado o diagnóstico preciso, o tratamento deverá ser individualizado, levando em consideração tanto a idade da criança quanto o grau apresentado da doença. Detectada a doença, o paciente deverá fazer consultas periódicas e realizar constantes exames para avaliar sua evolução.

Os pais têm papel fundamental nesse processo, já que, além da disposição em manter as consultas, exames e medicamentos em dia, também precisam ficar atentos a qualquer anomalia e diferenças comportamentais que a criança possa apresentar.

Medicamentos imunossupressores são os mais utilizados, devido ao efeito de controlar os ataques do sistema imunológico às suas próprias células. Porém, como eles fragilizam o sistema imunológico, acabam deixando a criança mais vulnerável a contrair outras doenças e infecções. Há também os efeitos colaterais, que acarretam a necessidade de a criança usar vários outros medicamentos complementares, a fim de evitar o surgimento de outras doenças, como gastrite.

A duração do tratamento observará o grau da doença e o quanto o organismo está debilitado. Num primeiro momento, o importante é controlar os sintomas, para então iniciar um tratamento de controle contra sua progressão. Em geral, o prazo é de dois anos para que esteja totalmente dentro do controle, mas tudo dependerá da estrutura física da criança.

A alimentação saudável é fundamental para a criança com lúpus. Como o tratamento tende a ser agressivo, é preciso que o corpo esteja bem nutrido e forte para superar suas consequências. Além disso, a doença pode trazer implicações para a fase adulta, como problemas cardiovasculares. É preciso também sempre abusar do protetor solar e evitar a radiação direta. A prática de exercícios e esportes também é indicada.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como reumatologista em São Mateus!

Comentários

O que deseja encontrar?